Patricia Folle nas Redes Sociais

Entrevistas

02 Aug

EMAGRECER: O PAPEL DO NUTRICIONISTA

nutricionista

Hoje em dia o sonho de muitos é ter um peso perfeito, bonito e por estamos atualmente em um constante imediatismo e conquistas sem grandes esforços, e é comum nos deparamos com diversas dietas da moda, restrita, ou outras tantas, ou seja, que reduzam o peso mais rápido.


Muitas dietas dessas até fazem sucesso. E as chamadas “celebridades” são as principais divulgadoras deste método. Digo que sim, é possível emagrecer com esse esquema de dieta, sem dúvida. Mas, muitos prejuízos podem ser causados por “regimes” de emagrecimento realizados sem adequada avaliação.


É fundamental saber, que todas necessitam de acompanhamento nutricional e como Nutricionista posso te orientar, planejar e adaptar ao programa individual, sem levar a risco a sua saúde.


Mas para realmente alcançar o peso ideal ou duradouro, é preciso adotar hábitos mais saudáveis, de maneira que novas práticas sejam incorporadas e que se proponha a seguira Reeducação Alimentar, somada a pratica de exercícios físicos que é algo sem igual. Um corpo saudável e em movimento é sinônimo de vida.


Como é definido então?


Seguindo um plano através da Dietoterapia, que consiste no manejo terapêutico dos alimentos, com o objetivo de produzir balanço negativo de energia para reduzir o peso e melhorar a composição corporal.


  1. Plano de restrição calórica moderada: Conteúdo Energético: Calcular o valor energético desejado segundo a situação clínica.
  2. Plano de baixo valor calórico: Denomina-se assim o que provém entre 800-1200 kcal. Está indicado se após um período razoável com um plano moderado não se conseguiu diminuir de peso.
  3. Plano de muito baixo valor calórico: Denomina-se assim o que provém menos de 800 kcal diárias. Está indicado para obesidades graves e recorrentes, descompensação diabética e outros estados que necessitam rápida perda de peso. Deve aplicar-se por períodos curtos (3-4 semanas). Não se recomendam dietas de menos de 400 kcal/dia, nem o jejum total (menos de 200 kcal/dia).
  4. Dietas não aconselhadas: as que não têm fundamento científico nutricional, como as dietas da moda.

Conselho: Se você deseja emagrecer, precisa ter em mente que encontrará algumas dificuldades pelo caminho, mas que é possível superá-las, portanto, se encontrar algumas dificuldades para seguir a técnica da reeducação alimentar, não desanime, pense nos seus objetivos e como será bom alcançá-los.


Acredite. Você é o responsável pela sua mudança. Você precisa confiar que é capaz de vencer. Essa vitória será sua, ela não tem preço, tamanha é a alegria da conquista.


E aí? Vamos começar a mudança?

EMAGRECER: O PAPEL DO NUTRICIONISTA
02 Aug

CULINÁRIA ORIENTAL

palitos_japones

CULINÁRIA ORIENTAL

Você também é daqueles que confunde pratos da culinária chinesa com a japonesa?Apesar da proximidade geográfica, os países possuem grandes diferenças culturais e a culinária é um exemplo.

Tratada como exótica, a alimentação oriental rompeu com os limites geográficos e obedecendo às tradições e aos costumes milenares orientais, as receitas foram cultivadas e passadas de geração para geração.

Com singelas adaptações aos costumes ocidentais, a culinária oriental foi ganhando tradição e prestígio, deixando de ser rara especiaria.


CULINÁRIA ORIENTAL CHINESA

A culinária chinesa tem nos carboidratos sua fonte principal de nutrientes.

As carnes de porco, frango e frutos do mar também são presentes, sempre muito condimentados. Normalmente são fritas e assadas e os pratos chamam a atenção pela aparência: são coloridos, com legumes variados como acompanhamento, e preparados com shoyu e temperos, culminando em uma culinária forte e marcante.

Nos doces, frutas carameladas e o Biscoito da Sorte são alguns dos itens mais populares da China.


Curiosidade:A culinária chinesa é muito diferenciada e antiga, com iguarias como carne de cachorro, cobra, gafanhoto, barbatana de tubarão, etc., provenientes de um passado histórico de guerras e fome que assolou o país.


Pratos Típicos Chineses

Yakisoba: É um prato feito geralmente com macarrão do tipo lámen, vegetais e carnes (peixes, frutos do mar, porco, boi ou frango), que é temperado com molho de soja (shoyu) e óleo de gergelim (mirin), e pode ser frito ou não.

Gyoza: Comumente chamado de pastelzinho chinês, o gyoza é feito com massa de arroz e recheado com carne (suína ou bovina) e vegetais, que pode ser cozido ou frito, e é consumido com molho a base de shoyu. Seu formato se assemelha a um raviole.

Harumaki: Mais conhecido como rolinho primavera, é um rolo feito de farinha de trigo, água e sal que é frito e fica extremamente crocante. Pode ser recheado com legumes (predominantemente repolho), camarão, queijo e, em versões modernas, doces como queijo e goiabada, banana e canela, entre outros. Para complementar o harumaki, ele é servido acompanhado por molho agridoce.

ChopSuey: Consistem em pedaços de carne cozidos e salteados com legumes, ideais para a produção de receitas como o arroz chopsuey e o yakissoba.

Frango Xadrez: O frango xadrez é um prato especial feito com ingredientes frescos que dão um sabor adicional à comida. O frango é frito no óleo e refogado com cubos de cebola, pimentão, salsão e gengibre ao molho de soja.

Camarão empanado com molho agridoce: o camarão é empanado com uma massa líquida feita de farinha de trigo, amido de milho, água, óleo, sal, fermento e frito em óleo. Depois de frito, joga-se por cima o molho agridoce.

Tofu: conhecido no Brasil como “queijo de soja”, é um alimento de origem chinesa, mas comum também na culinária japonesa. Pode ser comido puro, cru ou cozido, ou ainda acompanhar outros pratos, como as sopas.

Bebidas na China: Maotai, cujo nome é derivado da região onde foi criado. Para a sua produção, o sorgo e o trigo são fermentados, surgindo uma bebida com teor alcoólico.

Chás: O chá verde e o chá preto são apreciados nas refeições chinesas e também sozinhos. É uma bebida famosa e é considerada uma tradição entre os chineses, sendo indispensável em eventos sociais.


CULINÁRIA ORIENTAL JAPONESA

A mesa japonesa leva muito peixe e frutos do mar e o arroz não pode faltar, pois é o prato principal de quase todas as refeições.

Também são muito consumidas verduras e legumes, e os pratos geralmente são crus ou cozidos.

Pratos Típicos Japoneses

Sushi: É o famoso bolinho feito com arroz (gohan) temperado com vinagre, açúcar e sal, combinado com diferentes peixes, frutos do mar, vegetais ou ovo. Geralmente é servido com wasabi, mas é mais comumente consumido com o molho shoyu.

Curiosidade: Um sushi pode ter 47 Kcal. Então se comer 10 peças vai consumir 470 Kcal apenas de sushi.

Tempura: Prato clássico da culinária japonesa, são pedaços fritos de vegetais ou frutos do mar, envolvidos em uma fina camada de massa feita com farinha, ovo, água, fermento e uma espécie de Sazon japonês com sabor de peixe (Hondashi). A fritura é realizada em óleo muito quente, durante poucos minutos. É servido com molho agridoce.

Yakitori: O yakitori é o espetinho japonês. Ele é feito com pedaços pequenos de alguma proteína (ex: frango, shitake, carne bovina, carne suína, camarões, lula) ou legumes, montado em espeto de bambu e grelhado sobre carvão. Geralmente é servido com molho tare (feito de mirin, saquê, shoyu e açúcar), que é pincelado no espeto e depois vai à grelha.

A maioria dos pratos não possui na sua composição um dos fatores que mais afetam o corpo: a gordura saturada. Assim, os peixes e acompanhamentos ficam mais leves e são mais aceitas pelo nosso organismo.


Alguns alimentos usados no preparo e seus benefícios

Pescados (salmão e atum): ricos em proteína, ômega 3 e ação antioxidante, combatem a ação dos radicais livres, prevenindo o envelhecimento. Também têm ação anti-inflamatória e melhoram o sistema imunológico.

Cogumelos (shiitakes e shimeji): ricos em proteínas, eles ajudam a dar a sensação de saciedade e favorecem o sistema imunológico, além de ser ótima opção de proteína vegetal.

Legumes (cenoura, pepino, nabo): são utilizados como enfeites dos pratos e na composição de algumas preparações. Sempre que possível devem ser incorporados na refeição, para melhorar a oferta de nutrientes (fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes) benéficos à saúde.

Soja: encontrada na sopa missoshiru e no shoyu, a soja tem efeitos benéficos para a saúde, como antioxidante e anti-inflamatório, favorecendo a redução do colesterol e ajudando a prevenir doenças cardiovasculares.

Gengibre: encontrado em conserva e em alguns molhos, o gengibre oferece princípios benéficos à saúde. Tem ação benéfica no trato gastrointestinal, efeito anti-inflamatório, expectorante sobre o trato respiratório, melhora os sintomas da tensão pré-menstrual, melhora a imunidade, além da ação antioxidante.

Wasabi: esse tempero verde servido em pasta para dar aquele toque apimentado nas preparações, ajuda na digestão e é antibacteriano.

Algas: presentes em algumas preparações, principalmente nos sushis e temakis, esses vegetais marinhos oferecem fontes de iodo, necessários para a tireoide e o sistema imunológico trabalharem melhor. Também carrega vitaminas do complexo B, que são importantes reguladores da serotonina, hormônio neurotransmissor que nos confere a sensação de prazer e bem-estar. Além disso, elas são capazes de reduzir a absorção de gordura pelo organismo em até 75%.

Chá verde: essa bebida tem ação termogênica (aumenta o gasto energético), favorecendo a redução do peso corporal e auxiliando no tratamento da obesidade. Ajuda também a reduzir a glicemia sanguínea, o que favorece o tratamento da diabetes, além de favorecer o sistema nervoso central, protegendo contra doenças neurodegenerativas. O consumo favorece a memória e concentração. Também tem ação antioxidante, anti-inflamatória e favorece a redução do colesterol.


Dicas Nutricionais

  • Para quem está de dieta pode colher as vantagens e prazeres da culinária a melhor escolha é sempre apreciar com moderação, pois o equilíbrio é parte de uma vida saudável com qualidade e bem-estar!
  • Evite as versões fritas ou com maionese, pois acrescentam mais calorias aos pratos.
  • No restaurante, prefira os pratos à la carte, já que no rodízio é bem fácil extrapolar nas porções.
  • Shoyu (molho de soja , a dica é não abusar “possui alto índice de sal”) colocar um pouco de água para diluir e também sempre optar pela versão light do molho.
  • Cuidado com as sobremesas que são extremamente calóricas, como flambadas e caramelizadas. Escolha frutas assadas, são as melhores opções para não aumentar o valor calórico da refeição.


Cuidados:

  • Cuidado com o salmão: Peixes em cativeiro muitas vezes são alimentados com rações que contém corantes para dar cor ao tom da carne. Confiar no restaurante é importante, principalmente na seleção dos fornecedores.
  • Intoxicação: “É preciso verificar se o “sushi man” possui procedimentos de higiene ao manusear os alimentos.”


Curiosidades

  • Os sabores da cozinha chinesa são fortemente aromatizados com especiarias, enquanto japoneses são muitas vezes sutis.
  • A alimentação chinesa é baseada em uma visão holística da saúde e em sua inter-relação com os fenômenos da natureza, além de alimentar o corpo deve alimentar o espírito. Segundo esse princípio, existe uma dinâmica entre duas forças antagônicas e complementares, yin e yang. A interação entre elas origina os cinco elementos: madeira, fogo, terra, metal e água.
  • Macarrão: sua origem é chinesa, não é italiana
  • Yakissoba: é feito com macarrão, legumes e verduras, e pode levar também algum tipo de carne. Apesar de sua origem chinesa, o yakisoba criou raízes no Japão.
  • Os pratos tradicionais japoneses são preparados à base de arroz, sopa de misso (pasta de soja), peixe ou carne, acompanhados de tsukemono (picles).
  • Os temperos mais comuns na cozinha japonesa são o molho shoyu, o wasabi (raiz forte), o misso (pasta de soja), o karashi (mostarda), mirin e sake (bebida alcoólica a base de arroz) e dashi (caldo de peixe ou carne).
CULINÁRIA ORIENTAL

© 2016 -  Rua Fagundes dos Reis, 428 - Centro - Passo Fundo/RS - Fone (54) 3313-2355
 

Desenvolvido por ZnTECH.